IoT: O mundo conectado e inteligente

É comum encontrar crianças pequenas que mexem sozinhas no celular e acessam o que querem na internet. É compreensível, afinal um estudo realizado entre 2011 e 2016 revelou que crianças de 2 anos passavam em média 17 horas por semana em frente às telas. E para os jovens de hoje é até mesmo difícil pensar em passar um dia sem ter acesso à internet. Isso porque a nossa trajetória no mundo da tecnologia é mais antiga que o tempo de vida deles. 

Em 1946 vimos o primeiro computador digital eletrônico de uso geral ser inventado. Pouco tempo depois, em 1969, o homem pisava pela primeira vez na lua e nós, aqui na Terra, presenciávamos a criação da internet. A Arpanet, como era chamada, era responsável por interligar laboratórios nos Estados Unidos. Já em 1973 tivemos a primeira ligação feita através de um telefone portátil. Pouco mais de 20 anos depois, em 1996, nós tivemos o primeiro celular com acesso comercial para internet. Então Kevin Ashton surgiu com transformações e é considerado por muitos o criador do termo IoT, tema do nosso artigo de hoje. 

Antes desse momento, em 1991, Weiser escreveu o artigo, em tradução livre, “O Computador para o Século 21”, abordando sobre o que poderia vir a seguir com a IoT, mas sem mencionar o termo que se popularizou depois. Do inglês, Internet of Things, a Internet das Coisas foi mencionada pela primeira vez por Kevin Ashton, em 1999. Mas você sabia que o primeiro objeto a ser conectado a um computador ligado à internet foi uma torradeira? 

Em 1990, John Romkey criou uma torradeira que poderia ser ligada e desligada pela internet, e que foi apresentada na INTEROP’89 Conference, uma conferência anual de tecnologia da informação. No ano seguinte o produto foi melhorado, usando a automação. Agora a torradeira, através de um robô, poderia pegar o pão e colocá-lo na torradeira. 

Você consegue imaginar que antes dos anos 2000 já era possível ter um eletrodoméstico conectado à internet que substituiu o trabalho humano? Não é de se surpreender que hoje tenhamos tantas inovações tecnológicas. 

A conexão que facilita

A Internet das Coisas, por ser um sistema de dispositivos de computação inter-relacionados, tem a capacidade de transferir dados para uma rede sem precisar de trabalho humano no processo. Organizações de diversos setores estão usando a IoT para operar com maior eficiência, entendendo melhor os seus clientes, auxiliando na tomada de decisões importantes baseadas em coleta de dados e, quase que como uma consequência, aumentando o valor dos negócios. Isso só acontece porque há a possibilidade de ter uma visão em tempo real de como os seus sistemas, internos e externos, funcionam. 

No artigo anterior nós falamos sobre a Amazon Go, uma loja automatizada que proporciona liberdade ao cliente na hora da compra, já que ele não precisa registrar manualmente suas compras, passar por filas de caixa ou pagar na hora. Ambientes como esse funcionam como um grande facilitador para quem tem uma rotina atribulada e não quer perder tempo com o que não é mais tão importante. 

Como em todas as áreas há um crescimento de uso da IoT cada vez maior, no agronegócio não poderia ser diferente. As novas possibilidades recebem diversos nomes, entre eles está a agricultura inteligente e a agricultura de precisão. Todas elas permitem um olhar no futuro que já chegou. São maquinários, automóveis, drones, enfim, tudo o que você puder imaginar, comandados através da internet. Uma das maiores vantagens de ter todos esses recursos automatizados, e mais notável delas, é que nenhuma dessas opções precisa ter um ser humano comandando presencialmente no local. 

Não é mais uma opção ignorar a existência de inovações tecnológicas, principalmente na agricultura. A Internet das Coisas, além de facilitar a vida dentro da empresa ao automatizar o serviço, economiza tempo e gera mais receita. Empresas que não começarem a se adaptar ficarão, invariavelmente, atrás de seus concorrentes. 

Esse tipo de agricultura já faz parte da realidade de muitas empresas e permite uma série de benefícios, como aumento da produtividade, redução de consumo de fertilizantes e pesticidas, redução de custos e aumento na lucratividade. Isso porque, usando sensores e todos os artifícios específicos para cada caso, é viável coletar informações sobre produtividade, precipitação, umidade, temperatura, e análise do solo. Com muitas dessas informações e o auxílio de sistemas de gestão, é possível tomar decisões muito mais eficientes do que antes, quando métodos mais antigos e incertos eram utilizados.

Nosso compromisso com você

E é por isso que a Solution está aqui disponível para te ajudar, visando o melhor para a sua empresa através de tecnologias eficientes. Trabalhamos com sistema de gestão, o qual recebe as informações geradas por dispositivos que também podem trabalhar com a IoT. Assim, o sistema é capaz de informar ao gestor qual é a melhor maneira de conduzir o negócio, a partir dos dados que foram disponibilizados. Com esse tipo de sistema, a concessionária agrícola pode propor soluções proativas aos seus clientes, preservando da melhor forma o patrimônio e garantindo a excelência no atendimento. A tomada de decisão pode, então, ser feita da melhor forma, com base em fatos e elementos importantes, orientada pelo sistema de gestão. 

É dessa forma que nosso parceiro Campos Dealer auxilia, através do serviço de telemetria. O Campos Track pode ser conectado em qualquer máquina, novas ou usadas, que permite o monitoramento em tempo real, enviando dados para a concessionária e sugerindo o momento em que será necessário efetuar manutenção, sendo eficiente e comunicando antes que algo aconteça. Assim como nosso parceiro, estamos sempre focados em nossa missão, que é desenvolver sistema de gestão empresarial alinhado às necessidades de mercado com inovação. 

Quer saber mais sobre como trabalhamos para te ajudar? Entre em contato conosco clicando aqui.

Deixe um comentário